01 março 2020

Conhecendo Portugal - Palácio de Queluz


Como o próprio nome diz, o Palácio de Queluz fica em Queluz, bem próximo a Sintra (confira outros lugares incríveis nessa região AQUI) . São uns 10 a 15 minutos de caminhada da estação de comboio, bem fácil de chegar.

Todo o conjunto é muito bonito. São mais ou menos 19 salas, todas muito decoradas, além do belo jardim. Como tem muita coisa pra ver, reserve um bom tempo para esse passeio.


O palácio é do século XVIII e foi construído como um recanto de verão para D. Pedro de Bragança e sua esposa, a rainha D. Maria I de Portugal.

Era um Palácio muito lúdico, cheio de atividades de recreio e festas.
Por aqui passaram três gerações da família real.
Após o incêndio que atingiu o Palácio da Ajuda em 1794 (que na verdade eram tendas onde a família real passou a morar após o terremoto, com medo de um novo), o Palácio de Queluz tornou-se a residência oficial do príncipe regente português, o futuro D. João VI, e de sua família. Permaneceu assim até a fuga da família real para o Brasil em 1807, devido à invasão francesa de Portugal. Um Palácio cheio de história!


As várias pinturas ajudam a imaginarmos como era a vida naquela época, como as pessoas se vestiam, quais eram seus hábitos. Somos mesmo transportados no tempo.

Capela. O órgão estava em restauração quando fomos visitar.
Achei muito fofo o bercinho

Muitas das peças de porcelana foram para o Brasil na época do exílio da família real e voltaram. Algumas são personalizadas com o brasão. Tem uma exposição das louças e pratarias, mas não fotografei.

Inclusive tem uma sala toda dedicada ao chocolate, que mostra o novo hábito introduzido no século XVIII pela península Ibérica, vinda dos Astecas e trazida pelos conquistadores espanhóis.
Este era o quarto principal da casa. Era aqui onde nasciam os herdeiros. Inclusive Dom Pedro I, nosso imperador do Brasil, que nasceu em 1798 e morreu no mesmo aposento.  Aqui em Portugal é conhecido como Dom Pedro IV.



Depois da aquisição da quinta, a construção do Palácio iniciou-se em 1747. Após a morte de Don Pedro IV, deixou de ser o predileto pelos soberanos portugueses. Em 1908, tornou-se propriedade do Estado. E 1934 sofreu um grande incêndio, o qual destruiu o seu interior que foi totalmente restaurado, por isso o que vemos hoje no seu interior, pinturas das paredes, estruturas, etc, não é o original.
Passando à parte externa, igualmente grandiosa, o rio Jamor passa nos jardins do palácio pelo Canal dos Azulejos, com cerca de 130 metros de comprimento. Quando as comportas do canal eram fechadas, criava-se um plano de água onde era possível passear de barco entre paredes azulejadas, com representações de portos, palácios e outros temas.


Também havia um Jardim Botânico que estava em obras quando visitamos. 

Outra curiosidade é que até animais exóticos eram mantidos em jaulas como exibição no jardim.

 Cascata


O jardim é repleto de estátuas de chumbo vindas de Londres, que provavelmente eram pintadas de branco para imitar pedra, ou dourada, e as de mármore vindas de Itália. Todas essas encomendas foram possíveis, pois a irmã de Dom Pedro de Bragança morreu sem deixar herdeiros, então ele tinha muitos recursos para investir no Palácio.



O valor do ingresso é de 10 euros por pessoa. Também tem a opção dos fones, podendo fazer uma visita explicativa e em outras línguas pra quem for estrangeiro, mas não sei qual o valor adicional.
Durante o percurso tem plaquinhas em todos os cômodos explicando o que é e cada móvel ou peça que se encontra no ambiente, mas se quiser ficar mais por dentro da história é bom reservar uma visita guiada.

Gostaram desse passeio? Já conheciam o Palácio de Queluz?
Vale a pena a visita, eu amei!

“Aquietai-vos e sabei que eu sou Deus;” Salmos 46:10a

Nenhum comentário:

Postar um comentário