24 agosto 2015

Conhecendo Portugal - Castelo de São Jorge

Portugal é um país muito antigo, cheio de história com muitos monumentos, igrejas e castelos. E um desses e mais visitados pelos turistas é o Castelo de São Jorge.

O Castelo de São Jorge não tinha uma função de residência como acontece com outros castelos da Europa. Na verdade ele é mais uma fortificação do que um castelo.

Foi construído pelos muçulmanos em meados do século XI, numa zona de difícil acesso no topo da colina. Tinha a função de abrigar a guarnição militar e, em caso de cerco, as elites que viviam na alcáçova (a cidadela).

Após a conquista de Lisboa, em 25 de Outubro de 1147, por D. Afonso Henriques, primeiro rei de Portugal, até ao início do século XVI, o Castelo de S. Jorge conheceu o seu período áureo enquanto espaço cortesão. Os antigos edifícios de época islâmica foram adaptados e ampliados para acolher o Rei, a Corte, o Bispo e instalar o arquivo real numa das torres do castelo. Transformado em paço real pelos reis de Portugal no século XIII, o Castelo de S. Jorge foi o local escolhido para se receberem personagens ilustres nacionais e estrangeiras, para se realizarem festas e aclamarem-se reis ao longo dos séculos XIV, XV e XVI.

Como o Castelo fica em uma das 7 colinas de Lisboa, para chegar lá é uma subida e tanto. Descemos no metro do Terreiro do paço e fomos a pé até lá, mas além de ser uma boa caminhada, ainda erramos o trajeto porque as ruelas vão fazendo um zig zag que você não sabe onde está! Hehe. Você também tem a opção de pegar os elétricos para subir o morro, porque é bem cansativo!
Antes de chegar lá passamos pela Catedral da Sé (do século XII) e pelo Miradouro de Santa Luzia. Vale a pena ir curtindo todo o trajeto porque essa região é cheia de história com belas paisagens e arquiteturas!




 O Castelo de São Jorge é um dos lugares mais visitados de Portugal, a fila fica bem grande, mesmo fora de temporada, então é bom ir com tempo. O valor normal do bilhete é de 8,50 €. Na bilheteria você pode pegar um mapa completo do local com todas as informações!

Lá do Castelo, mais um Miradouro com vista incrível do rio Tejo.




Lá você ainda pode desfrutar do Jardim Romântico, do Café do Castelo e do restaurante Casa do Leão. Eu não comi em nenhum deles, então não posso de dizer se é bom, mas deve ser um pouco caro...




A parte da fortificação em sí, preserva ainda, onze torres. Os lances de escadas dão acesso às ameias e às torres, sendo visitável em todo o seu perímetro. Por isso, se você tem medo de altura ou problemas no joelho, não compensa ir. As escadas são íngremes e os corredores bem estreitos. Minha sogra foi e acabou ficando só na parte de baixo, não explorando as torres, mas o emocionalmente é mesmo subir e ficar andando por lá, imaginando como era naquela época!










Além de passear pelas muralhas, se você é interessado em história, o Castelo possuí um Museu com um acervo de objetos encontrados na área arqueológica, que datam do século VII a.C ao século XVIII, com destaque para o período islâmico do século XI-XII.

Também em uma das torres (Torre de Ulisses) encontra-se a Camera obscura, ou Periscópio, que é um sistema óptico de lentes e espelhos inventado por Leonardo Da Vinci no século XVI, permite examinar minuciosamente a cidade em tempo real, os seus monumentos e zonas mais emblemáticas, o rio e a azáfama própria de Lisboa, num olhar que percorre 360º.
Só é permitida a entrada de 20 a 30 pessoas por vez, não lembro exatamente. As apresentações acontecem a cada 30 minutos variando entre inglês, português e espanhol. A fila estava enorme, até esperamos um pouco, mas depois desistimos. Se você quiser assistir é bom ir logo que chegar, ainda mais se você só entende em português...

No outro extremo do castelo, encontram-se ruínas de três períodos significativos da história de Lisboa: as primeiras estruturas habitacionais do século VII a.C; as casas e ruas de meados do século XI, de época islâmica; e os vestígios da última habitação palatina – o Palácio dos Condes de Santiago – destruído pelo Terramoto de 1755.

Terminada a visita descemos o morro de volta até o metro passando pelas casinhas típicas de Portugal com azulejos e roupas penduradas nas janelas.


Para informações mais completas acessem:

“Não atentando nós nas coisas que se vêem, mas nas que se não vêem; porque as que se vêem são temporais, e as que se não vêem são eternas.” 2 Coríntios 4:18

Um comentário:

  1. Uau, que lugar lindoooo! Já vi que há muitas vantagens em morar por aí, viu! Ai, ai... hehehe Beijão

    ResponderExcluir